criadotecido4

Faça-você-mesma, Klara.

Eu tenho uma amiga-irmã-comadre de algumas décadas que não mora aqui colada em mim. Mas não foi a distância geográfica que nos separou. Ao contrário. Apesar dela morar com sua família linda na Paraíba, nos falamos constantemente e, sim, nosso Bluetooth emocional é bem sincronizado. Quase todo dia no uatisápi falando da vida, das crias e mal dos colega dazantiga que me deleta do FB. Quem nunca, né?! A deletada, a diferentona.

E daí que outro dia ela me perguntou como que encapava móvel com tecido. Eu falei que não sabia, nunca tinha feito. Que a parede do meu antigo quarto que era de tecido eu encapei com cola de papel de parede misturado com cascorex. Que ela fizesse a arte do lado de cima e me mandasse, se desse certo.

 

Uns dias depois, recebi estas fotos que me fizeram cosquinhas no coração ( que pra mim é mesmo a definição física de felicidade). E espero que inspire vocês. Um criado popular, que se abre em cima revelando uma engenhoca simples com velcro, transformado com tecido e cola diluída em água. Proporção?! 2:1. Duas partes de cola e uma de água. Cola branca, escolar.

 

criadotecido

Tcharáns com tecido de patchwork e floral ornando! Equipe DONC ama!❤


criadotecido2

Até os fundilhos do criado a danada encapou!:)


criadotecido3

a parte que abre também!

Resume tudo que a gente fala por aqui, né, não?! Do pouco ao glamour nosso de cada dia. De olhar pra nada a olhar pra dentro da gente. De nos vermos nas coisas que nos cercam. De coisa bonita e pouco dinheiro. De fazer casa com alma. E criadinho com Buda!

criadotecido4

Em cima, detalhes…


criadotecidodetalhes

A parte que abre…


criadotecido5

Atrás!❤

Não bastasse o criado, que foi no ano passado, estes dias que eu estava de #mimimi, ela me aparece com este armário de escritório, encapado de algodão cru. Isto mesmo, Brasil! Algodão cru!

armariotecido

não temos o antes, mas é aquele armário básico de escritório, reconhecem?! Pois é, nem eu!

Pôs as meninas pra desenhar com tinta pra tecido e canetas pra tecido (as de escrever nome no uniforme), esperou secar 1 dia, colou com a mistura mágica de cola e água. Simples assim!

pinturatecido1

e você ainda ganha algumas horas de crias entretidas!😛


pinturatecido3

desenhando…


pinturatecido2

… o que elas quiserem…


pinturatecido

… do jeito que quiserem!❤

E ainda tirou onda disfarçando os puxadores péba fita de cetim de bolinha e fita dupla-face. Olhaê a substituta da washitape, Braséél! É pra fechar o blog, né! Blogayra de décor enrustida, a minha cumadi.

armariotecido2

puxadores “novos”


armariotecido3

acabamento interno, também com fita!

Então de agora em diante fica assim: se eu demorar mais uma vez a dar as caras aqui novamente, Klara fica nomeada, eleita e aclamada chefe editora por aqui, ok?

E como jabá pouco é bobagem, convido você, minha leitora, meu leitor, a curtir a página do FB da mais velhas das meninas dela, a Mari. Tudo começou com mangás e a menina já mostrou que manja mesmo do riscado, porque é um mais lindo que o outro. Eu já encomendei umas obras de olho pra eu colocar no consultório, porque acho boas, mesmo. Traço firme quando tem que ser, expressões intrigantes… Uma genuína obra de arte. Eu, de você, curtia, enquanto ainda é de graça! Marina Schenkel Art .
E você, não tem nada aí precisando de vida nova?! Os criados e os armários são todos nossos! E manda pra gente ( deolhonacasa@email.com) que adoramos ( e publicamos!) Uhuuuu!!!

Cadê o brilho nos olhos que estava aqui? DONC is Back!

bagunca - 17

isso foi antes da mudança. Está bem pior, acreditem…:/

Eu sei que vocês já devem estar cansados de #mimimi. Eu também.

Acontece que eu tô aqui nesta terra quente e promissora de Mococa, sozinha com as minhas pragas, tentando fazer as coisas darem certo. Por coisas entenda-se basicamente a educação e criar as meninas, trabalhar como oftalma, cuidar minimamente da casa de formas que não habitemos uma pocilga. Rotina, organização e trabalho. Fácil, né?! E nem me sinto adulta suficiente pra ser responsável por tantas coisas.

Eis que segunda passada na hora do almoço meu pai recebeu uma ligação e disse: “ah, tá confirmado, sim! A gente vai!… Viu, Diana, quarta à noite na televisão, falar sobre oftalmologia.” Não é uma notícia que se dê assim, né, gente, pra uma pessoa com a boca cheia de arroz e feijão, engolindo com pressa pra levar uma na escola e buscar outra. ( Sim, eu almoço na casa dos meus pais todos-os-dias porque ainda não me programei suficiente para ter arroz-feijão-bife-salada na minha própria morada.)

E a partir daquele momento eu só conseguia pensar em fazer as unhas, o que que eu vou falar e o que eu faço deste cabelo, pelo-amor-de-Deus. Fora a rotina insana com as meninas que, num ato de desespero materno, eu matriculei em períodos diferentes porque elas brigam demais. Agora só sobra a noite pra isso. Aff.

E a quarta-feira chegou comigo ainda no celular, tentando me acalmar à uma da manhã. Eu durmo tarde e acordo cedo. E celular na cama nunca dá certo, é verdade, eu sempre falo pras meninas. E antes do despertador tocar às 5:45h eu já tinha acordado sobressaltada e cansada. Vou passar o uniforme da menina antes de acordá-la, pensei. Bati a mão no criado, pus meus óculos ( eu uso +5,50 pra longe de hipermetropia) e olhei no celular pra ver as horas.

E aí aconteceu o impalpável.

Eu não enxerguei as horas. Nem de pertinho, nem à meia-distância, nem de longe. Meu coração começou a bater na boca e me deu vontade de chorar. Eu sabia que eu ia perder a visão pra perto, mais dia menos dia, pois já beiro os 40. Mas, assim? Sem aviso? Antes do despertador tocar? num dia importante? então começou a tocar o alarme e o meu é o pior possível, aquele de sirene, Pé Pé Pé…

Eu desliguei porque já sabia onde era o botão, sem enxergar. Levantei, me esforçando pra ver algo mais que vultos e caminhei até a cozinha. Eu não contaria pra ninguém. Não posso assustar as meninas. Vou agir com naturalidade. Imagina o susto que meu pai vai tomar?! E os pacientes de hoje, como eu vou atender?! Cheguei na cozinha e decidi fazer uma café forte, aquilo era sono. Acendi a luz da cozinha e… ESTAVA TUDO ESCURO! Meu Deus! Eu acordei cega! Abri a porta da cozinha que dá pro quintal e parecia ser noite, ainda. E se eu vivesse na noite pra sempre, meu Deus?!? Eu estava apavorada demais até pra chorar. Fiquei alguns minutos sentada na mesa da cozinha. De camisola, bafo, óculos e sem chão, sem reação. Eu quero atender as pessoas… eu gosto tanto do que eu faço, mas como?! Eu não vou enxergar as câmeras na TV… Como eu vou fingir?! E foi então que eu tive a melhor idéia de todas. Vou voltar pro quarto, é um pesadelo, eu ainda não me levantei.

Cheguei no quarto e não tinha ninguém deitada na minha cama. Eu era eu e eu estava acordada. Mas…

O que era aquilo sobre o criado?! Franzi a testa pra ver, cheguei pertinho… Lá estavam meus óculos de grau! E no meu rosto?! Óculos de sol, sem grau. O relógio da Igreja começou a bater 6h da manhã, eu já estava atrasada. Ufa… Mais 2 minutinhos, que o dia ia ser longo e eu acabava de surtar… Mas enxergar não tem preço! E eu tenho muita gente pra ajudar!

E vai arrumar esta casa que está uma zona, Diana, honestamente… Ninguém pode viver equilibrando celular, 3 óculos diferentes, cestinha de remédios, creme anti-idade, controles remotos, caderninho de anotação e contas num criado-mudo. Sim, eu sei, podexá. Mas no final de semana, que hoje eu vou falar na televisão!😛

A entrevista que demos na quarta está aqui, quem quiser ver, será bem-vindo, só clicar!

É longuíssima, mas foi tanto carinho que sou toda gratidão. Me senti voltando pra casa, realmente! Muito obrigada, dra Eliana e TVD, vocês são sensacionais!

E nada como um sustinho básico pra gente se tocar do que é realmente importante nesta vida, né!

Então, amores e amoras, informo com este post-surto que continuo linda, loira e louca como vocês podem ver no vídeo, mas sobretudo que amo muito este blog, que não é só de decoração, nem nunca foi, pra quem não sabia ainda.

Muito breve voltamos a nossa programação normal com faça-você mesma, decore-você-mesma, viva-sua-vida-você-mesma que o ano começou, uhuuu!!! E vou mostrar meu consultório que tá chuchu, tá azul, tem um olho-espelho lindo na porta… Projetinhos da minha cumadi da Paraíba, posts na casa da vó, cola aqui QUE EU VOLTEI!😛

Por último, mas não menos importante, a fotinha que publiquei no meu IG no dia do nosso ano novo, meu e do meu pai, dia primeiro de fevereiro:

Pai, hoje eu vim de branco, como o senhor. Eu fui na modista e encomendei este vestido. Porque hoje, pai, é ano novo. O NOSSO ano novo. Ontem fez 39 anos que o senhor chegou em Mococa, com a mãe e eu, bebê, pediu um empréstimo no banco, comprou todos os aparelhos e abriu uma portinha com seu nome. Dia 31/01/1977 caiu numa segunda-feira, que já me contou. Então o senhor abriu o consultório e ficou esperando os pacientes virem. Hoje é a primeira segunda-feira depois deste aniversário. Iniciamos, hoje, nosso 40o ano de consultório. Eu sei, pai, que quando o senhor achou que era minha vez de ser médica, eu não fui. Eu saí pelo mundo e fiz coisas que nem cabem aqui neste post. Eu fui médica já mãe, já gente. E hoje eu tô aqui com o senhor. Em Mococa. Eu entendi que aqui, nesta porta ao lado da sua é o meu lugar. E aqui eu vou ficar. Pelo senhor e por todos os pacientes que vierem nos procurar. O senhor, se quiser, pode descansar. Eu fico aqui no seu lugar. Agora é a minha hora, a minha vez. #ahoraeavezdeDianaMaziero #paraorestodenossasvidas #felizAnoNovoPai

A photo posted by Diana 👀🏡 (@deolhonacasa) on

E sim, pode entrar!!! A bagunça é toda minha, mas fica à vontade! SMACK!

 

 

bagunca - 122

Sobre mudanças e brilho nos olhos

 

quadros6

Nu – Tolentino, s/d

Mudar não é fácil, não é rápido, nem barato. É que nem ser mãe; cansa e te exige uma vigília constante. Mas te recompensa por ter um ( ou 2, no meu caso) corações batendo fora do meu peito e 2 cérebros pensando com uma cabeça que não é a minha. Tudo tão bagunçado, tão lindo, tão humano e inesperado. A casa, pra mim, é um ser vivo. Um coração que pulsa fora do meu peito e um cérebro que pensa sem mim.

Tomar esta decisão de sair da zona de conforto ( ou da cidade, no meu caso) causa estress, briga, choro… Mas se tem se revertido num profundo e doloroso encontro comigo mesma, com meu passado, com as expectativas que tinha, há 20 anos, de quem eu seria quando tivesse 40.

bagunca - 123

Me vi em diversos momentos, fazendo coisas legais e outras, nem tanto… Sendo legal com algumas pessoas e com outras, nem tanto…

Joguei muito, muito papel mesmo, fora. Doei roupas, brinquedos, roupinhas de neném que eu pensava que ainda teria e guardei por 1 década. Não quero mais nada disso.

Quero ser a que eu puder carregar, dentro do peito e fora dele. E que meus dois corações que batem fora de mim me acompanhem. E que eu encontre minha alma de novo.

É por isso que gosto de falar que sou oftalma. Porque têm alma no final. E, honestamente, eu ando com os pés e a alma cansadas… Com o olhar sem brilho e o cenho preocupado…

Estou no meio de um caminho que não sei onde vai dar. Só sinto o calor do sol do meio-dia na minha cabeça e tenho que fechar os olhos. Eu prefiro a noite.

Pra pensar. Pra rir. Pra fumar.

bagunca - 111

Então vou tentar novamente fechar os olhos e dormir mais um pouquinho. E quando eu acordar, espero que meu brilho nos olhos tenha voltado. E que minha casa tenha encontrado uma alma e vice-versa.

O fato é que, quando eu me afundo nos poços que eu mesma cavo, deixo uma cordinha amarrada pra subir depois.

No caso da casa, foram os quadros. Obras de arte são importantes. São caras. Compre quando der, porque olhar pra elas não têm preço. E você sempre vai ver algo que não tinha visto. Mudar de perspectiva e de ponto de vista salva.

bagunca - 122

O autor da maioria delas é o Francisco da Silva, um pintor brasileiro que nasceu no Acre e viveu no Ceará, autodidata e semi-analfabeto, atormentado por natureza, descoberto por Jean-Pierre Charboz. Morreu pobre e bêbado. Acho que até por isso ele pintava tantas cobras e lagartos atormentados. Delirium. Dizem que as obras depois de 1978 não são exatamente dele, porque todos na família punham a mão na obra, no intuito de fazer uma produção de massa. I don’t care. Todas têm o dedão dele em tinta perto da assinatura. Amo Chico da Silva e sua loucura. Me salvou e continua me salvando.

Música pra quem é de música. Esta banda linda se chama Drugstore, nasceu na Inglaterra e a vocalista – pasmem – linda, maravilhosa, brasileira, Isabel Monteiro, voltou pro Brasil ano passado e está com uma nova formação tupiniquim. Oxalá eu consiga ir a algum show em SP.

 

http://youtu.be/AKxysAMwnkc

 

Esta música fala assim: “eu preciso de alguma coisa pra segurar/ como um pingo da chuva que começa a cair/ como um trem que de repente pára/ como alguma coisa que não se pode tocar… Nada pode me parar.”❤

Filme pra quem é de filme. Begin again.

O filme conta a história dum produtor musical que perde o brilho nos olhos, vivido pelo Mark Rufallo, que tem uma epifania vendo uma menina tocar com um violão, num bar. A menina é a ex-namorada de um pretenso rock star vivido por Adam Levine, que fica muito bem no papel de cuzão. ;P

https://www.youtube.com/watch?v=UC_DPae1y40

 

 

Que o tesão desta menina em tocar guitarra ( filha do produtor) seja o nosso em fazer o que amamos todos os dias. #amém

E a música se chama “Tell me if you wanna go home”. I do.

Textão pra quem é de textão. Voltar pra casa dói, mas salva.

http://revistatrip.uol.com.br/tpm/a-volta-por-milly-lacombe

Sim, a gente sempre vai se ver por aqui. Porque a casa da gente fica na alma. E os olhos são as janelas dela. Da alma e da casa. Que, sim, será sempre minha. Pode entrar.

Viajar não é preciso

Voltei. Nem sei donde recomeço. Final de ano teve aniversário do blog, que apareceu no blog da Essência móveis ( obrigada, Éder!), Natal, Ano Novo… E nenhum post comemorativo, PAP de festas, nada! De fato não sou boa com datas especiais.

O ano acabou caótico e não começou diferente. Enrolei meus quadros, minha árvore de natal, minhas filhas e minhas gatas em plástico bolha e me mudei. Mudei de cidade, não sou organizada nem cumpri meus prazos mentais pra dizer que aqui tá tudo pronto, que é só entrar, como sempre faço. Não, não é. Tem caixas de papelão ainda no caminho e coisas guardadas em qualquer lugar. E enfeites pelas superfícies e quadros acumulados pelos cantos da sala. Então não queiram entrar. Não agora. Isso não seria um bom post de ano bom.

A casa que vou mostrar aqui não é minha, nem da minha família, nem de ninguém que conheço. Aluguei no Airbnb. Fica em São Sebastião, litoral norte de SP e nos serviu de pouso por 5 dias, enquanto fazíamos uma viagem em família. Talvez a última com os 4, porque estamos nos separando. De cidade, de casa, de vida. Mudaram-se os tempos e as vontades.

E porque não gosto de viajar. Não gosto de fazer mala, de pegar estrada, nem de sol, nem praia, nem de mosquito. Nem de sair de casa. Sim, sou véia, depois falamos mais sobre isso. Mas até onde eu sei, é permitido não gostar de viajar, né?! Então, #soudessas.

Só gosto do mar. E pra lá fomos. E desta casa também não quis sair. Porque a gente quando viaja, por mais que veja fotos, nunca sabe o que vai encontrar. Viajar não é preciso.

Na casa encontramos livros. De São Sebastião, de papier maché, dos gatos do mundo. Em português, alemão e francês. Uma parede colada de recortes e desenhos. Uma janela de crochê, uma parede de janelas diferentes, cadeiras diferentes com histórias diferentes. Um chão de tijolos com madeira. Um piano afinado. Sol. Um abrigo da chuva, um forno pra assar bananas. Cortinas amarelas como o sol e uma cabeceira de treliça.

são sebastião - 079

não, a chuva não atrapalhou…

são sebastião - 076

são sebastião - 085

lateral, jardim tropical

são sebastião - 016

entrada lateral: porta colorida, porta de vidro com cortina branca… tem como não amar?

são sebastião - 103

sala com uma passadeira de tijolos rústicos, madeira, vidro e um piano❤ !

são sebastião - 015

e estas casinhas na sala? esta é a lateral da porta de entrada.

são sebastião - 039

entrada da rua: quantas janelas e acabamentos diferentes numa mesma parede, bem do jeito que a gente ama…

são sebastião - 111

detalhe sobre a porta

são sebastião - 002

o jasmim-manga à beira da piscina

são sebastião - 003

cadeiras diferentes, pode?!❤

são sebastião - 106

É um grande salão integrado; o piano está à esquerda, os sofás à direita.

são sebastião - 097

pára e olha pra estes armários da cozinha!

são sebastião - 096

são sebastião - 098são sebastião - 107

 

são sebastião - 115

quarto principal: tijolinhos brancos, cabeceira de treliça de madeira, cômoda verde tiffany

são sebastião - 090

a escada leva ao quarto principal

são sebastião - 092

que tem cortinas amarelas

são sebastião - 116

e um banheiro lindo!

são sebastião - 112

são sebastião - 087

há, ainda, mais 4 suítes, acessadas por este corredor externo ao quarto principal, 2 em cima, 2 embaixo.

são sebastião - 081

 

 

são sebastião - 084

são sebastião - 101

Pra onde quer que a vista fosse, parece que lá já tinha ido. E isso aqueceu meu coração. É daqueles sentimentos que fazem mais e mais a gente querer ser quem é. Eu, pelo menos. Vocês, não sei… Mas eu morava fácil aí. Assim quero minha casinha!
Nesta casa linda, Cleópatra completou seus lindos 10 anos e pediu um banho de cachoeira de presente.

são sebastião - 062

parabéns, filha!

Saravá pra todo mundo, que entre quem quiser. A casa, o ano, o blog, tudo nosso. Agora apenas me abracem.

Depois

Clean Composé – nossa sala de TV atual

Em primeiro lugar, espere baixar as 278 fotos porque deu trabalho pra fazer, fotografar e editar. E o post não faz sentido sem elas.

Aiai! Estou realmente feliz com tudo isso! Antes de publicar o antes da sala, chamei marido pra ver as fotos e comparar com a sala que ele tinha acabado de atravessar. Até ele notou a diferença.

Decoração acho que só pode merecer este nome se afetar a alma de alguém. Principalmente dos que vivem ali. É que nem retórica. Todo mundo acha que está sendo retórico quando fala palavras em vão, que é apenas falar bonito. Não, retórica é usar das palavras para causar uma mudança de juízo. Não há retórica em se falar do tempo. Assim como não há decoração ao empilhar aleatoriamente coisas ou entulhá-las. Retórica muda opiniões e atitudes. Decoração muda casas em lares. E, por conseguinte, o espírito e a aura dos que ali convivem.

E por que eu fiz esta sala mesmo estando prestes a mudar de casa?! Porque eu não queria ir embora tendo como última imagem uma zona triste de quinquilharias amontoadas como lembrança donde vivi os últimos 5 anos. Queria lembrar da felicidade em abrir a porta e ver nossa casa limpa, arejada e feliz em nos receber! De atravessar a sala e querer voltar pra sentar no nosso sofá lindo, por o pé nos nossos pufes lindos e olhar pros meus santinhos na estante que reformamos!  <3  E ficar olhando, deitada no divã, o pano que chamei de cortina com bolinhas douradas lamber minhas pernas quando venta.

Então este é o nosso Clean Composé, como as lindas Buji Girls’ chamaram. E eu adorei. Porque eu sou a louca das estampas composé. E porque, pra minha personalidade drag queen, a sala é clean.

Então minha intenção era ter um ambiente funcional, colorido, pacífico e destralhado. Que tivesse nossa cara, que demonstrasse o espaço que a sala tem ( 20m2!); e que funcionasse pra nós todos – tanto no sentido de acomodar e acolher, como de guardar/exibir nossos gostos e objetos pessoais: livros e revistas e Santos e plantinhas -no meu caso; e objetos geek no caso do marido. Volte 4 posts para o projeto.

No projeto original, haveria também prateleiras na parede atrás do sofá pras gatinhas subirem. Até comprei umas bacanas em pinus, mas não coloquei pra não furar a sala recém-pintada e prestes a estar vazia novamente.

Antes - dois racks pretos com nichos na parede...

Antes – dois racks pretos com nichos na parede…

Depois: um rack branco e uma estante, com detalhes em chevron cinza e dourado.

Depois: um rack branco e uma estante, com detalhes em chevron cinza e dourado. E o sol entra!

Antes - parede de listras e uma esteira na frente do roupeiro. Sem contar o pivô da paleta, o sofá-derrota.

Antes – parede de listras e uma esteira na frente do roupeiro. Sem contar o pivô da paleta, o sofá-derrota. Volte 5 posts para o antes.

Depois - <3

Depois –

Antes

Antes

Depois

Depois

Antes

Antes

Durante...

Durante…

Depois

Depois

Antes

Antes

Depois

Depois

#partiudetalhes

Pôsteres gratuitos com washitape (haverá post, aguardem! Almofadas lindas da @avoqueria e os pufes-mesinhas (volte 2 posts para tapeçaria). Maria Joaquina faz parte da decoração.

Pôsteres gratuitos com washitape (haverá post, aguardem! Almofadas lindas da @avoqueria e os pufes-mesinhas (volte 2 posts para tapeçaria). Maria Joaquina faz parte da decoração.

Os santos vieran parar na estante, assim como fotos, livros queridos e suculentas.

Os santos vieram parar na estante, assim como fotos, livros queridos e suculentas. Volte 3 posts para estante adesivada.

Algumas revistas eu joguei fora. Mentira, estão empilhadas no escritório. Mas serão jogadas, ok.

Algumas revistas eu joguei fora. Mentira, estão empilhadas no escritório. Mas serão jogadas, ok. Aproveitei as xicrinhas de asa quebrada pra plantar suculentas. Na verdade, é só jogar folhinhas caídas que elas já nascem. Não requer prática, nem tampouco habilidade.

Eu tenho santos, gosto de santos, acho que são ótimos elementos decorativos além de tudo. Santa Luzia (dos olhos); São Francisco de Assis ( protetor dos animais); São Cosme e Damião ( das crianças e dos médicos); São Longuinho ( sim, ele existe e tem uma lanterninha procurando… quem nunca?!); São Miguel arcanjo ( que a Pê achou bonito e trouxe pra nossa casa da casa da minha mãe) e São José, porque meu avô era José.

Eu tenho santos, gosto de santos, acho que são ótimos elementos decorativos além de tudo. Santa Luzia (dos olhos); São Francisco de Assis ( protetor dos animais); São Cosme e Damião ( das crianças e dos médicos); São Longuinho ( sim, ele existe e tem uma lanterninha procurando… quem nunca?!); São Miguel arcanjo ( que a Pê achou bonito e trouxe pra nossa casa da casa da minha mãe) e São José, porque meu avô era José.

A minha foto de família preferida de família. Marido, irmãos e filhas. No temporizador, na Barra Alegre.. Acho que foi a única que eu consegui até hoje. Mandei imprimir em quebra-cabeça. A lua é um vasinho da Urban Outfitters e a vela de cheiro vem numa caixinha, da Tok&Stok.

A minha foto de família preferida de família. Marido, irmãos e filhas. No temporizador, na Barra Alegre.. Acho que foi a única que eu consegui até hoje. Mandei imprimir em quebra-cabeça. A lua é um vasinho da Urban Outfitters e a vela de cheiro vem numa caixinha, da Tok&Stok.

Mais fotos, livros e vasos...

Mais fotos, livros e vasos…

Em cima: Iemanjá ( obviamente sou filha dela); N.S. Aparecida (padroeira do Brasil); N.S. Desatadora dos Nós ( tem santuário aqui em Campinas, acho ótima!); N. S. das Cabeças (porque eu estudo muito!); N.S. de Fátima (dia da minha mãe e veio de Fátima, em Portugal, já benta) e outra santa que simpatizei e convive bem com as colegas.

Em cima: Iemanjá ( obviamente sou filha dela); N.S. Aparecida (padroeira do Brasil); N.S. Desatadora dos Nós ( tem santuário aqui em Campinas, acho ótima!); N. S. das Cabeças (porque eu estudo muito!); N.S. de Fátima (dia da minha mãe e veio de Fátima, em Portugal, já benta) e outra santa que simpatizei e convive bem com as colegas.

Só umas washitapes nas caixinhas das meninas já deu um jeito. Marido ainda não percebeu que o vaso em cima da caixa de som não tem prato.

Só umas washitapes nas caixinhas das meninas já deu um jeito. Marido ainda não percebeu que o vaso em cima da caixa de som não tem prato. Pés-palito metalizados.

A mesinha de ferro e a bandeja de restos ( volte 1 post) e o quadro comemorativo de 10 anos de casados: vocês são a luz dos meus olhos hoje e sempre. À la Snellen porque sou oftalma.

A mesinha de ferro e a bandeja de restos ( volte 1 post) e o quadro comemorativo de 10 anos de casados: vocês são a luz dos meus olhos hoje e sempre. À la Snellen porque sou oftalma.

Detalhe. Mandei fazer em 2013.

Detalhe. Mandei fazer em 2013. É uma tabela de leitura pra longe. 20/20 deve ser lido a 6 metros para ser considerado visão de 100%.

clean compose - 18

A

A “cortina” de bolinhas é uma palha de seda branca com bolinhas douradas que eu usava como véu de dança do ventre. E já tinha bainha. Preguei com fita-banana e ela fica pululando em cima de quem deita. O tronco é de uma jabuticabeira da Barra Alegre que faleceu e meu irmão me deu. Conservo. Just in case…

A cortina, o canto do divã e a mesinha. <3

A cortina, o canto do divã e a mesinha.❤  . Volte 1 post para detalhes.

as peças de tapeçaria e o papel de parede e o aparador que mantive.

as peças de tapeçaria e o papel de parede e o aparador que mantive. As bolinhas fiz com papel de presente dourado e cola em bastão.

Quadrinhos da minha amiga querida carioquíssima, Megg! <3

Quadrinhos da minha amiga querida carioquíssima, Megg!❤

Agora ponho flores naturais toda semana. Nossa foto roxa do casamento, com cara de assustados. Nós estávamos, de fato.

Agora ponho flores naturais toda semana. Nossa foto roxa do casamento, com cara de assustados. Nós estávamos, de fato.

O suporte de plantas virou cabideiro. Pedi pra minha tia quando vi abandonado no sítio dela. Pintei de vermelho. O vaso grande de suculentas estava lá embaixo.

O suporte de plantas virou cabideiro. Pedi pra minha tia quando vi abandonado no sítio dela. Pintei de vermelho. O vaso grande de suculentas estava lá embaixo.

Na entrada, ao lado da porta, fica o móvel Revoada, da saudosa Casa de Criação. Costumo me gabar que o meu foi o primeiro. Ana nunca me desmentiu! Hahahaha! O quadro da Gilda era de uma locadora de filmes que eu ia quando era adolescente, há 24 anos. Adoro o filme, amo divas, eles me deram quando fechou.

Na entrada, ao lado da porta, fica o móvel Revoada, da saudosa Casa de Criação. Costumo me gabar que o meu foi o primeiro. Ana nunca me desmentiu! Hahahaha! O quadro da Gilda era de uma locadora de filmes que eu ia quando era adolescente, há 24 anos. Adoro o filme, amo divas, eles me deram quando fechou.

Flores naturais. Antúrios, que é flor de véia. O nicho do meio é do marido.

Flores naturais. Antúrios, que é flor de véia. O nicho do meio é do marido.

geek stuff

geek stuff: Escher, quebras-cabeças, cubo Rubik, giroscópio…

As pragas na fonte em Novo Horizonte. O porta-retratos eu comprei numa venda de garagem a long time ago...

As pragas na fonte em Novo Horizonte. O porta-retratos eu comprei numa venda de garagem a long time ago…

mais livros e suculentas...

mais livros e suculentas…

Os quadrinhos (gata)..

Os quadrinhos (gata)..

… da Cris Conde (Lua)...

… da Cris Conde (Lua)…

em cima da televisão ( 3 mulheres).

em cima da televisão ( 3 mulheres).

E como hoje é domingo AND meu aniversário, resolvi dividir toda esta maravilha de sala com a internê como um todo. Porque eu sou bagunçada, mas sou generosa. Sou vaidosa de ver que bonito que ficou o que eu fiz, mas também quero que você aí do outro lado, tão perdida em decoração como eu, se sinta capaz de transformar o que você tem em algo que te agrade mais. Chegar onde a gente quer não tem preço. Principalmente se for na nossa casa. E parabéns pra mim, que fiz a sala e me dei de aniversário!

Agora vou descansar um pouquinho!

Agora vou descansar um pouquinho!

E você, quer entrar, ver um filminho com a gente?! Ficou com alguma dúvida? Os comentários estão aí pra isso!  <3

clean compose - 41

diva - 6

A história do divã e os nossos móveis com memória

Já contei pra vocês quando eu e o marido juntamos os trapos, né??
Esta foi a primeira peça decorativa da nossa casinha! A história é que eram dois colchões de solteiro e aquela poltrona canhota na sala. Só isso.

Esta era nossa primeira sala. de novo, tínhamos comprado apenas o tapete. Pois é, não tinha sofá, nem geladeira, mas tínhamos um tapete. Eu dançava dança-do-ventre e este era um item de primeira necessidade pra mim, ok? E temos estes compadres da foto até hoje! Reparem nos pés da mesinha ali no canto direito… E na estante de correntes no canto superior esquerdo. Foi a primeira coisa que Marcão jogou fora.

Esta era nossa primeira sala. de novo, tínhamos comprado apenas o tapete. Pois é, não tinha sofá, nem geladeira, mas tínhamos um tapete. Eu dançava dança-do-ventre e este era um item de primeira necessidade pra mim, ok? E temos estes compadres da foto até hoje! Reparem nos pés da mesinha ali no canto direito… E na estante de correntes no canto superior esquerdo. Foi a primeira coisa que Marcão jogou fora.

Aí já tinha resgatado a mesinha de ferro que era da minha mãe, pus vidro, mandei pintar… E fazer este bicama que chamamos de divã, seguindo o mesmo trabalho da mesinha. Obviamente não ficou igual, mas foi daí que nossa casa começou. E todo mundo gosta de se jogar nesta cama da sala, delícia pra ver TV, nunca cogitamos nos desfazer!

Eu bebê e a mesinha. Se alguém falar que eu era orelhuda, deleto o comentário, ok?

Eu bebê e a mesinha. Se alguém falar que eu era orelhuda, deleto o comentário, ok?

Ele já teve uma capa dourada, meio amarela, da primeira vez que reestofamos a poltrona canhota. Depois, fiz uma capa de listras verdes e bordô com flores aplicadas e uma parede combinando! Sim, já tive outra parede de listras de vó, pintada, mas não tenho fotos…

A Cleópatra quando chegamos em casa. Ela chorava muito. Mesmo. Eu de camisola, combinando com o divã amarelo. Eu achava que era tudo dourado. Foi neste dia que dei o piti do sofá, porque da próxima foto já consta o sofá-derrota.

A Cleópatra quando chegamos em casa. Ela chorava muito. Mesmo. Eu de camisola, combinando com o divã amarelo. Eu achava que era tudo dourado. Foi neste dia que dei o piti do sofá, porque da próxima foto já consta o sofá-derrota.

Em 2013 trocamos o colchão por um de molas, com cobertura de sei lá o quê, super alto-delícia! Mas eu não tinha feito a capa pra ele ainda, até começar toda esta revolução na nossa sala.

A mesinha antes, com minha assistente no pufinho.

A mesinha antes, com minha assistente no pufinho.

Mais um antes tenebroso pra que o depois fique bem melhor. :P

Mais um antes tenebroso pra que o depois fique bem melhor.😛 O divã era uma bicama. Nos desfizemos da parte de baixo.

E don maridón pintou o divã. Primeiro com compressor, depois no pincel, mesmo, porque os pauzinhos são muito finórios...

E don maridón pintou o divã. Primeiro com compressor, depois no pincel, mesmo, porque os pauzinhos são muito finórios…

A cor é um verde azulado acinzentado, de chevet, da Chevrolet. Tinta automotiva de novo. Desta vez, PU. Com brilho.

A cor é um verde azulado acinzentado, de chevet, da Chevrolet. Tinta automotiva de novo. Desta vez, PU. Com brilho.

voltando aos velhos tempos de colchão no chão...

voltando aos velhos tempos de colchão no chão… Back to the rough ground.

Foi o móvel mais fácil da reforma. Até porque não fui eu que fiz. Marido pintou, Isac fez a capa. E depois que a mesinha foi pintada, eu resolvi fazer uma bandeja de restos: a moldura do ar condicionado antigo da minha sala que estava jogada no consultório ganhou o resto da tinta vermelha dos pés-palito da poltrona destra ( volte 1 post para vê-la); um madeirite resto do quadro de rolhas recebeu o resto do adesivo vinílico da estante e o conjunto recebeu o resto dos puxadores de couro dos móveis da Cleo. Et voilá!!!

Depois de uns dias pra cá e pra lá, percebi que ela era um tiquinho maior que o tampo de vidro da mesinha velha! Rá!

Assim que eu gosto, quando o universo e eu mesma conspiramos à favor! Sério, já reparou que os móveis vão se ajeitando onde eles querem ficar?!

a bandeja diva ao lado do divã! <3

a bandeja diva ao lado do divã!❤

O pufinho encaixa embaixo!

O pufinho encaixa embaixo!

<3

A capa do sofá é dupla-face: embaixo está a estampa da poltrona-canhota. E as almofadas azul-petróleo foram cheias com o antigo encosto do sofá-derrota.

A capa do sofá é dupla-face: embaixo está a estampa da poltrona-canhota. E as almofadas azul-petróleo foram cheias com o antigo encosto do sofá-derrota.

diva - 7

Aí o lindão! <3

Aí o lindão!❤

E você, quer me ajudar a reformar as coisas aqui?! Eu tô que tô!!! Fique à vontade, tem tinta, lixa… A sala vai ser sempre nossa! E daqui a pouco tem PAP e idéias gênyas e o finalmente da sala! Uhuu, que outubro promete!

Finalmente...

A volta por cima do sofá-derrota e o tapeceiro mágico

o sofá - vitória

o sofá – vitória

Sim, é o mesmo sofá. A estrutura é a mesma, o assento e o encosto foram trocados. Porque não era só a cor, era o conjunto da obra que me irritava. Ser molenga, sujo… Tudo!

o sofá original, mas compramos a ocr mais infame que havia.

o sofá original, mas compramos a cor mais infame que havia.

Quando fizemos o projeto, até cogitei com as Buji girls’ comprar um sofá novo do Fernando Jaeger. Estava em promoção e sairia menos de 4 mil reais. Esbarrei em 2 poréns: 1) ter que ir pra São Paulo pra fazer isso ( e providenciar o transporte do sofá pra cá ou trazê-lo!); 2) o entulho que ia me gerar, pois, afinal de contas o que eu ia fazer com o sofá derrota?!

Pra quem não se lembra, taí o sofá-derrota!

Pra quem não se lembra, taí o sofá-derrota!

Por estas malandragens da vida, um dia a senhora que trabalhava aqui quebrou uma estatueta de madeira do meu quarto. Eu lembrei que a estatueta já tinha sido quebrada na mudança ( há 5 anos – a minha memória é realmente incrível, quem me conhece sabe) e restaurada por um cara muito bom. Era agosto de 2014 e estava no auge da reforma do quarto das meninas. Liguei na transportadora que fez nossa mudança e consegui o contato do restaurador. Chamei o rstaurador, que restaurou a peça e, no final, perguntei se ele conhecia um bom estofador. Porque eu estava mesmo desesperada com o sofá. E acredto que bons profissionais conhecem bons profissionais. Ele me deu o telefone e eu guardei o papelzinho. (Tã vendo como é importante guardar papeizinhos? :P)

Durante a reforma.. Fui à tapeçaria fazer um teste drive, pra ver o encosto e assento novos...

Durante a reforma.. Fui à tapeçaria fazer um teste drive, pra ver o encosto e assento novos…

Aí depois é aquilo que eu já contei no post do projeto da sala nova. Mais os tecidos que eu já tinha comprado ( sim, eu sou a louca dos composés e dos tecidos!). Mais escolher um monte de tecidos! Porque quando vi que o cara era realmente bom, resolvi reformar vários estofados daqui de casa.

Os tecidos comprados na internê. :)

Os tecidos comprados na internê.:)

Testanto misturas enlouquecidamente… A louca dos composés!

Testanto misturas enlouquecidamente… A louca dos composés!

escolhendo paleta e possibilidades...

escolhendo paleta e possibilidades…

Os tecidos finalistas e um desenho tosco de tudo que ia ser feito com qual estampa...

Os tecidos finalistas e um desenho tosco de tudo que ia ser feito com qual estampa…

detalhe do verde-água e do azul-petróleo em veludo.

detalhe do verde-água e do azul-petróleo em veludo.

E os resultados estão abaixo.

Ah, sim! O sofá derrota? Virou esta coisa lindona daí de baixo. O antigo assento virou este pufe que se estende no chão pra ver filmes ou apenas se jogar no chão; o encosto molenga do sofá antigo virou o enchimento do encosto azul petróleo das almofadas do divã.

<3

O antigo assento do sofá se assenta numa base de compensado com pés-palito dourados...

O antigo assento do sofá se assenta numa base de compensado com pés-palito dourados… É uma técnica chamada metalização. Sim, eu amo dourado e fiz questão deste acabamento reflexivo. Descobri um rapaz aqui em Campinas que faz este serviço.

<3

… que vira um colchonete pros dias de filme! <3

… que vira um colchonete pros dias de filme!❤

A capa do sofá é dupla-face: embaixo está a estampa da poltrona-canhota. E as almofadas azul-petróleo foram cheias com o antigo encosto do sofá-derrota.

A capa do sofá é dupla-face: embaixo está a estampa da poltrona-canhota. E as almofadas azul-petróleo foram cheias com o antigo encosto do sofá-derrota.

E comò vi que a Tapeçaria Imperial seria a solução dos meus problemas, inventei este pufe mesinha com os pés-palito metalizados em dourado! Rá! Até agora é o único móvel realmente novo da sala e meu xodozinho muti-função!❤

Pufes-mesinha, pra por os pés...

Pufes-mesinha, pra por os pés…

Pra gatinha andar...

Pra gatinha andar…

e fazer refeições na sala de cima! <3

e fazer refeições na sala de cima!❤ Eles se transformam em mesas!!!

chá da tarde! <3 Estou a-pai-xo-na-da!!!

chá da tarde!

Mesinhas! <3

Mesinhas!❤

A minha cadeira canhota ganhou um marido destro, de pés-palito também. E queria todo mundo ornando porque não sabemos se teremos tantos ambientes separados na casa nova.

Este foi meu primeiro móvel da vida, com meu primeiro sal[ario digno de corretora de redação do vestibular da Unicamp.

Este foi meu primeiro móvel da vida, com meu primeiro salário digno de corretora de redação do vestibular da Unicamp.

Ela era azul, j[a tinha sido reestofada, mas estava lastimável, pois já tem 16 anos.

Ela era azul, já tinha sido reestofada, mas estava lastimável, pois já tem 16 anos.

Poltrona canhota antes...

Poltrona canhota antes…

E depois! <3 Com os pés-palito coloridos!

E depois!❤ Com os pés-palito coloridos e o marido destro.

Ele também fez as cadeiras do meu consultório, que em breve aparecem por aqui ( e que já apareceram no meu instagram… @deolhonacasa)!

São estas aí, anes de irem habitar minha sala…

São estas aí, antes de irem habitar minha sala de lá.

Valeu, Isac! Agora só faltam as cadeiras da sala de jantar que quero fazer antes de mudar!😛 Pra quem quiser entrar em contato, o telefone da Tapeçaria Imperial é (19)32766160, com Isac. Este não é um post de publicidade, mas de agradecimento público!

Finalmente...

Finalmente…

Então #ficaadica: mudar tudo pode ser simplemente reestofar tudo! Muda a vida e a alma da casa!

Sem palavras… Em breve teremos o Depois da sala!

Sem palavras… Em breve teremos o Depois da sala!

Quem entrar, se jogar no nosso sofá?! Fique à vontade, ele é uma delícia!❤